Archive for Março, 2007

Tempo irreflectido

Quarta-feira, Março 14th, 2007

Existe no ser humano muitas razões que o levam a viver, tendo umas um peso maior ou menor conforme as caracteristicas individuais do mesmo. Mas pensar no tempo que falta viver, olhar para o presente e ver que no futuro ainda iremos viver, pensar como se fossemos eternos talvez seja a maior razão para uma pessoa viver. Claro que nos jovens esta razão é mais acentuada mais penso que continua a existir mesmo nas pessoas muito velhas. Não olhar para a morte, não pensar nela mas sim na vida como algo sempre presente. A isto poderemos dar o nome de Tempo irreflectido, algo presente no ser e que lhe permite viver mas algo que não é pensado, como se não estivesse presente. Se pararmos para pensar um pouco neste tempo poderemos encontrar aspectos negativos como a inconsequencia de actos individuais humanos, a insignificancia do valor produzido. Pensar nestes termos poderá produzir sentimentos de frustração, no entanto poderá fazer o individuo questionar a sua existencia, a sua escala de valores, aquilo que lhe faz feliz. Pensar em termos existenciais poderá produzir uma maior proximidade do ser com aquilo a que ele esta mais susceptivel e consequentemente produzir na sua vida uma maior felecidade.

Share

vida=0=morte

Quarta-feira, Março 7th, 2007

O começo ( a vida )! Digamos que estamos no ponto 0. Vamos progredindo, vamos ganhando pontos, chegamos a uma determinada altura e olhamos para tras. tempo de refleção! O que progredimos!. Será desejavel progredir mais. Sempre assim para manter essa sensação de aperfeiçoamento, de melhoria. Mais tarde esse movimento vai acabar por diminuir e mesmo acabar. Temos entao o ponto maximo. A partir dai começamos a descer, a desapreder. Passado algum tempo estamos novamente no ponto 0 ou muito proximo dele. Esse ponto tambem se pode chamr de morte. Será entao a vida igual a morte? Se pensarmos em numeros vemos que ambas se aproximam de zero. Será a igualdade válida? Temos todo o tempo entre estas duas situações para tentar responder a esta questão! Talvez o inicio e o fim sejam o mesmo.E isso o que quererá dizer?

Share

A existencia do oposto

Quarta-feira, Março 7th, 2007

Homem, mulher, claro,escuro, triste,contente, são apenas alguns exemplos que constatam a presença do oposto. O sim e o não é o que está mais presente na vida do homem. Nos computadores temos o sistema binario constituido por 1ºs e 0ºs (o sim e o não). Será compreensivel enaltecer a existencia de um oposto sempre que uma dada coisa exista? Poderá uma coisa ser orfa de oposto? Talvez a caracterização da coisa exija a preseça do oposto! O que faz o ser humano progredir é esse mesmo oposto, pelo menos na maior parte das vezes. O que seria desejavel era que houvesse progressão mesmo sem haver o tal oposto. Poderia-se tentar criar classes sem opostos. Traria certamente novos valores,horizontes de progressão que permitiria uma melhor utilização do potencial ser humano! Mas como?

Share