Constante ausente

A constante… poderá neste caso ser entendida como um estado pertencente ao ser humano e tambem à vida. Em ciencia o seu papel é determinado pela necessidade de relação entre variaveis. No homem poderemos encontrar em várias questões de indole metafisico ou de adaptação à vida tal como esta é vista a partir dos olhos do ser humano. Por exemplo qual é a natureza ou mesmo a finalidade da anedota? Não sera a anedota e o consequente riso uma reflexão da natureza do ser humano? Porque será que a anedota, o humor tão presente na sociedade actual, uma clara demostração do quanto dificel é ao ser humano encontrar maneiras de se divertir sem ser à custa da desgraça ou descrença do seu semelhante. Reflete a constante que está presente para, como na ciencia, descrever a relação entre variáveis para agora descrever a relação entre seres humanos.  E se esta constante estivesse ausente? Em ciencia poderia descrever a realidade de outra maneira, atraves da manipulação das variaveis de outra forma, dando origem a relações completamente novas. Poderia ser a resposta para o erro. No ser humano a presença do erro poderia ser a forma de tentar fazer com que a tal constante se ausentasse. Poderiamos tentar construir uma nova forma de viver que permitisse a redução do erro e a presença daquilo que descreve melhor o ser humano: o raciocinio. Este raciocinio e consequente requalificação da escala de valores poderia dar origem a novas formas de prazer entre as quais modificar a anedota ou mesmo faze-la desaparecer. Se esta for vista como meio de diverção então existe lugar para ela mas tambem reflecte o erro do ser humano, poderiamos tentar fazer com que se ausentasse. Então teriamos a anedota como a conhecemos ausente e o riso requalificado, dando origem a uma nova formula de relacionamento entre seres humanos. Tal como na ciencia!

Share

Leave a Reply