Archive for Março, 2008

Ubuntu desktop and the new sound.

Blog, English, Linux, Mudanças, Tutorial No Comments »

desktop.png
This is my beautiful new desktop. I’ve only used AWN as a dock bar, all the rest is customization from Ubuntu. It’s not ready yet, I’m still thinking about putting one or two docklets out there (System monitor, Calendar…) and change the upper bar.
I’ve also solved the sound problem I was having. I had to update the ALSA drivers and to follow this tutorial. And now it ROCKS!
I will continue to update you on my Ubuntu adventure. I’m really loving it!

Share

My first Ubuntu boot

Blog, Curiosidades, English, Linux, Mudanças No Comments »

I just installed a dual boot system on my new machine, with Ubuntu (Gutsy Gibbon) 7.10 and WindowsXP SP2. Everything is working fine in windows, and, so far, only the sound isn’t working on Ubuntu. However I’m currently updating the system, hopefully it will solve itself after this.

I’m the proud new  member of the Linux community!

Share

My new baby (part IV… no wait, V. No, wait… I don’t know.

Blog, English, Gadgets, Linux, Mudanças, Vícios No Comments »

Processador: Intel Core2 Duo T7250 (2x 2.00GHz) com Tecnologia Intel Centrino Duo Mobile
Cache: 2MB L2
Memória: 2GB DDR2 667 (2x 1GB), Máx. 4GB
Disco rígido: 250GB SATA
Drives: Gravador DVD±RW com tecnologia LightScribe
Ecran: TFT 15.4″ WXGA (1280 x 800)
Placa Gráfica: nVIDIA GeForce 8400M GS
Memória Placa Gráfica: 128MB (dedicada)
Interfaces: 4x USB 2.0
1x i.LINK (Firewire)
1x TV-Out S-Video
1x S/PDIF
1x VGA
1x DVI-D
Comunicações: Wireless LAN 802.11a/b/g
Rede 10/100
Modem 56Kbps
Bluetooth 2.0 + EDR
Sistema Operativo: Windows Vista Home Premium Português
Expansibilidade: 2x slots de memória (0 disponíveis)
1x slot ExpressCard
Dimensões: 36,5 (L) x 26,95 (C) x 4,05 (A) cm
Peso: 2.76 Kg
Outros: Leitor de cartões 8 em 1
Webcam Integrada de 1.3 Mega-Pixel
Intel Turbo Memory (1 GB)
Garantia: 2 Anos

Cristaltec courtesy. Beautiful.

Share

Curiosidades, Humor, Portugês No Comments »

– Já lá vão quantos anos? Dez?

Pois é…

Estás na mesma…

Isto nem sempre é um elogio.

Share

Rita Redshoes

Curiosidades, English, Mudanças, Porto, Vícios, YouTube 4 Comments »

A new star is born in the portuguese music scene: Rita Redshoes is the name of the beautiful girl who’s bright songs put a smile in all our faces. She plays with David Fonseca and sings in duet with him in the popular music Hold Still, so, she is no stranger to the fans. Her beautiful voice and figure cast a spell on the viewers and it’s impossible not to sing along or smile at one of her shows.

Yesterday I attended one of her first concerts in Porto, at PlanoB, a beautiful and well known bar in the northern city. And it was just marvellous. I’m now a devoted fan. I’ve even registered to MySpace just to be able to send her a comment…

Enough chit-chat, I’ll leave you with the video for one of my favourite songs, Hey Tom.

Enjoy.

Hey Tom

Share

Porto

English, Fotografia, Porto, Vícios No Comments »

foto0066.jpg

foto0067.jpg

foto0071.jpg

foto0071.jpg

It’s a beautiful city.

Share

I can’t belive it II

Blog, Curiosidades, Portugês, Vícios, YouTube No Comments »

Eu sei que é na concorrência… mas porra, se isto se confirmar mesmo, já são duas vezes num ano que os vou ver, quando esperei a minha vida toda para os ver uma única vez…

Agora perfeito perfeito, era vê-los na Queima do Porto. E não escondo a publicidade à Super Bock, é graças ao dinheiro desses senhores que os vou ver duas vezes este ano…

Nem posso acreditar. E só por causa disso, vai uma das minhas preferidas…[kml_flashembed movie="http://www.youtube.com/v/BGolY8jE-Wo" width="425" height="350" wmode="transparent" /]

Share

I can’t belive it.

Curiosidades, English, Vícios No Comments »

Oh.

My.

GOD.

Here.

Share

Os melhores anos da minha vida…

Blog, Mudanças, Portugês 1 Comment »

Tenho muitos amigos e conhecidos, de várias faixas etárias, de várias zonas do país, com as mais variadas profissões e ocupações. E quase todos eles me dizem o mesmo: “Epá, estes são os melhores anos (os da Universidade) da tua vida”. Os que por lá já passaram, vejo-os falar com saudade do tempo de estudante. Os que estão no mesmo pé que eu, sempre os vejo atarefadíssimos com trabalhos e aulas e estudo, mas sempre com um sorriso na cara. Os que estão agora a terminar o percurso sentem já as lágrimas da despedida. Os que agora começam, sentem-se entusiasmados com a nova etapa, tal como eu me senti.

Mas não sinto, de todo, que estes são os melhores anos da minha vida. Não consigo encontrar a mesma vivência durante estes tempos de estudante que grande parte dos meus amigos sente. E isso deixa-me sinceramente triste. Não conseguir perceber tudo o que isto me tem para oferecer, e, pior, não aproveitar.

Muitas razões contribuem para isso. A primeira, e talvez mais óbvia, é ter de dividir o tempo da faculdade e de estudo com o meu trabalho e as responsabilidades que isso acarreta. Isso, por sua vez, diminui automaticamente o tempo livre que tenho disponível para criar laços e experiências memoráveis.

Além disso, a FEUP é uma das maiores comunidades académicas do país. Centenas de alunos por cada ano de cada curso, em instalações com espaço para albergar campos de futebol. Isto faz com que as caras não sejam familiares, os espaços não sejam ocupados pelas mesmas pessoas. Não há habituação, não há espírito de comunidade.

A liberdade na escolha de horários também não facilita. Acabamos por conhecer muito mais gente do que a maioria das pessoas, mas é muito difícil para um grupo de pessoas conseguir ter sempre aulas juntos ao longo dos cinco anos de curso.

O método de ensino assenta muito no auto-desenvolvimento. Enquanto que alguns dos meus colegas ficam na FEUP a estudar e a trabalhar, porque são de longe e moram bem perto da faculdade, eu que sempre morei por aqui, vou para casa, estudo quase sempre sozinho ou com um ou dois amigos perto de casa. Tinha uma vida aqui antes da faculdade, tenho e terei, ao contrário de grande parte dos meus colegas que durante a semana apenas têm a vida académica com que se preocupar.

E por falar em vida académica, a praxe que tanto ouvimos falar antes de chegarmos ao ensino superior não foi capaz de me trazer aquilo que eu precisava. De todos os que por lá conheci, poucos guardo comigo, os outros são companheiros de viagem aos quais saúdo pela companhia. Deixei a capa negra de lado, mal tenho tempo para estudar, então para a usar…

E sem tempo não se desenvolvem laços. Grande parte dos colegas com quem saio moram longe o suficiente para não conseguirmos ir tomar um café ou sair ao fim de semana, mas perto o suficiente para não terem de morar cá.

Aqueles meus amigos que olham com alegria para a sua vida académica, que sentem que vivem os melhores anos da sua vida, passam o dia na faculdade, quer tenham aulas ou não. Eu, neste semestre, nem sequer lá ponho os pés às terças e quartas.

Tenho pena de não aproveitar isto tudo, por estes e tantos outros motivos. Sei que quando estiver lá longe, no fim do meu quinto ano, vou estar triste por terminar este capítulo, mas duvido sentir a dor do estudante que deixa de o ser. Sei que não é mal da FEUP, conheço muita gente que a vive como seria de esperar, é meu. Mas não há muito que eu possa fazer para o alterar. Resta-me esperar que os melhores anos da minha vida ainda estejam para vir.

Share