Apresentação

Este blog pretende ser um meio de divulgação do Projeto Aberto que está a ser desenvolvido no âmbito de Laboratórios Integrados III de Mestrado Integrado em Bioengenharia, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

Será aqui fornecida toda a informação que foi agregada e sintetizada pelo grupo de trabalho.

 

Ana Lúcia Rebelo

Ana Rita Pinto

Ana Sofia Assis

Eva Carvalho

Mariana Masteling

Teresa Finisterra

Share

Este é um post fixo! continuar a ler?

Website

Agora também temos website:

http://tratovocal.wix.com/tratovocal

 

Share

Sessão coletiva 1

Plano da primeira sessão coletiva

Nota: em todos os exercícios é imperativo que se tome consciência e se atente nos órgãos que estão envolvidos na emissão de cada som

Parte 1: Vamos conhecer o nosso corpo! – Estudo prático da influência da língua/dentes/lábios/trato vocal/pulmões/nariz na emissão de sons diferenciáveis

1)      Fazer exercícios respiratórios

    1. Treinar a respiração com a “barriga”
    2. Inspirar e expirar durante longos períodos de tempo (8 seg)

 2)      Estudo das vogais

a. Emitir as vogais a/e/i/o/u (abertas e fechadas) com a mesma frequencia durante 3 segundos – atentar à posição da lingua/labios para cada uma

 3)      Estudo das consoantes

    1. Oclusivas

i.      Orais:

  1. Emitir as consoantes p/t/k com a mesma frequência durante 3 segundos (surdas)
  2. Emitir as consoantes b/d/g com a mesma frequência durante 3 segundos (sonoras)

ii.      Nasais:

  1. Emitir as consoantes m/n/nh durante 3 segundos (sonoras)

2.  Constritivas

i.      Fricativas

  1. Emitir as consoantes f/s/ch com a mesma frequência durante 3 segundos (surdas)
  2. Emitir as consoantes v/z/j com a mesma frequência durante 3 segundos (sonoras)

ii.      Liquidas

      1. Emitir as consoantes l/lh durante 3 segundos (laterais-sonoras)
      2. Emitir as consoantes r/rr durante 3 segundos (vibrantes-surdas)

4)      Estudo dos sons nasalados

    1. Emitir os sons mi/ma/no sem influência do nariz
    2. Emitir os mesmos sons nasalados

 

5)      Estudo da dualidade voz cantada/voz falada

    1. Emitir vogais e de seguida canta-las (3 seg)

 

  Parte 2: Qual a influência do trato vocal nos sons emitidos? Percepção prática das alterações produzidas nesta zona enquanto são emitidos sons

 

1)      Estudo da intensidade do som

    1. Emitir o som “a” numa dinâmica “piano” (3 seg)
    2. Emitir o mesmo som numa dinâmica “forte” (3 seg)

 

2)      Estudo da frequência do som

    1. Emitir o som “a” numa frequência grave e ir sucessivamente aumentando a frequencia – atentar ao “esticar” das cordas vocais e ao movimento de bascula do CT

 

3)      Estudo do ataque vocal de cada som

    1. Emitir as vogais com ataque normal
    2. Emitir as vogais com ataque soprado
    3. Emitir as vogais com ataque brusco

 

4)      Realização de vocalizos, exercitando todos os órgãos em estudo

    1. Cantar mi-i-a-a-iiii (exercitando a barriga) cada vez mais agudo
    2. Cantar ma-a-a (cada vez mais agudo)
    3. Cantar mi-i-I (cada vez mais agudo)

i.      Observar em todos eles a modificaçao da forma do trato vocal

Gravações

Sessão colectiva 1 – U aberto e nasalado Mariana

Sessão colectiva 1 – p t q Eva, Sofia, Teresa, Rita

Sessão colectiva 1 – Mi Ia Ai Teresa

Sessão colectiva 1 – Mi Ia Ai Sofia

Sessão colectiva 1 – Mi Ia Ai Rita

Sessão colectiva 1 – Mi Ia Ai Mariana

Sessão colectiva 1 – Mi Ia Ai Lúcia

Sessão colectiva 1 – Mi Ia Ai Eva

Sessão colectiva 1 – Mi Ia Ai Colectivo

Sessão colectiva 1 – l lh r rr Lúcia

Sessão colectiva 1 – m n nh Mariana

Sessão colectiva 1 – I e O abertos e nasalados Teresa

Sessão colectiva 1 – E aberto e nasalado Rita

Sessão colectiva 1 – E aberto e nasalado Eva

Sessão colectiva 1 – b d g Rita, Teresa, Sofia, Eva

Sessão colectiva 1 – A aberto e nasalado LúciaSessão colectiva 1 – A aberto e nasalado Sofia

 

Share